terça-feira, 6 de julho de 2010

Impossível não lembrar...

Pessoas, eu nem acredito !!! Daqui a 11 dias, meu pimpolho vai completar um ano ! Valha-me Deus !!! Não dá para fugir do clichê e dizer: Parece que foi ontem !!!!
Ano passado, por essas alturas, estava na minha peregrinação hospitalar. Na reta final da gravidez, ia ao médico uma vez por semana, às vezes duas, para saber a disposição do meu filhote em vir cá para fora... Olhavam, examinavam... e diziam... "pode voltar para casa". Ficava aliviada e ao mesmo tempo tensa... afinal, quando seria a grande hora ???


O que era certo é que meu pimpolho estava muito bem acolhidinho lá dentro e não mostrava sinais de querer conhecer a galera que o aguardava ansiosamente.
Até que numa sexta-feira, mais precisamente, no dia 17 de julho de 2009, eu fui ao hospital e não vim para casa no mesmo dia.
Já cansada de tantas idas e vindas, já esperava ouvir o médico dizer para eu voltar tal dia. Mas foi diferente: "Vá para aquela salinha, tire a roupa, vista essa bata e aguarde a enfermeira". Até vieram lágrimas aos olhos... um misto de ansiedade... emoção... sei lá... medo, quase não senti... parecia estar anestesiada...


O pessoal do hospital foi impecável. Um acompanhamento humano e dedicado. Como não tinha sinais de parto, o mesmo teve que ser induzido. Colocaram um remedinho lá no soro para provocar as contrações. Lembro bem... entrei para aquela salinha ao meio-dia e fiquei lá tranquila na companhia do papá.


O acompanhamento dele também foi de louvar. Esteve comigo o tempo todo até eu entrar na sala de partos e ajudou imenso. Acho que é uma presença imprescindível num momento tão importante. Até achei que ele não fosse ter paciência, nem suportar aquilo, mas aguentou firme e passou-me muito carinho e segurança.


Graças a Deus, inventaram a epidural ! Não hesitei em pedi-la. Afinal, que dores são aquelas !!! Se com 4 centímetros de dilatação eu já parecia não suportar, imagina aos 10, na hora H ! Um parto, sem anestesia, deixo para as mais corajosas. Para mim, o que valeu foi o alívio !
Já passava das sete da noite, quando estava na hora... e o momento exato foi às 19:46 .


Lá puseram aquela carinha linda em cima do meu peito. Era o meu Diego, com 51 cms de comprimento e pesando 3.370g.
Aquele momento único e aqueles olhinhos apertados olhando para mim eu nunca vou esquecer. E também lembro de dizer, quase em desespero: enfermeira, meu filho não chorou ! E ela, muito calmamente: espere que você vai já ouvir ! Foi a primeira vez que o choro de um bebê me tranquilizou... Estava tudo bem... correu tudo dentro do previsto...
E já se passaram 11 meses !
Agora os preparativos são para outra data importante: a comemoração do primeiro aninho do meu Diego. Fiquem na curiosidade. A partir de amanhã, vou revelando os detalhes...

1 comentário:

sabrina disse...

Olá, cunhada! Não poderia deixar de escrever algo depois de ler "Impossível não lembrar". Que linda a sua postagem! Que bom que deu tudo certo e como eu adoro histórias,a reli umas três vezes! Emocionante!
Grande bejo!