quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Profissão: MÃE

Muitas vezes, questionei-me se optar por ser mãe em tempo integral era a escolha certa. Abandonar a profissão, ficar fora do mercado de trabalho são decisões complicadas. A responsabilidade financeira da casa fica toda nas costas do marido. E sua auto-estima pode ir ao chão diante de uma simples pergunta: O que você faz ?
No mundo de hoje, ser como as mamães de antigamente que se dedicavam à casa, ao marido e aos filhos, parece tão absurdo. Tem até quem seja tachada de preguiçosa, por não trabalhar fora !
Mas, por incrível que pareça, tenho descoberto a cada dia novas mulheres que, por opção, largaram o emprego para voltarem a ser a Rainha do Lar !
Acabei também por encon  trar um texto ótimo sobre o assunto. Ri e identifiquei-me com ele...
Espero que vocês também gostem !

****

PROFISSÃO: MÃE

Ana foi renovar sua carteira de motorista e pediram-lhe para informar qual era sua profissão. Ela hesitou, sem saber como se classificar.
- "O que eu pergunto é se tem algum trabalho", dissse o funcionário.
- "Claro que tenho um trabalho", exclamou Ana. "Sou mãe!"
- "Nós não consideramos mãe um trabalho. Vou colocar dona de casa", disse o funcionário.
Não voltei a lembrar-me desta história até o dia em que encontrei-me em situação idêntica. A pessoa que me atendeu era uma funcionária de carreira, segura, eficiente.
_"Qual é a sua ocupação? perguntou. Não sei o que me fez dizer isto. As palavras saltaram-me da boca:
-"Sou doutora em desenvolvimento infantil e em relações humanas".


A funcionária olhou-me como quem diz que não ouviu bem. Eu repeti pausadamente, enfatizando as palavras mais significativas. Então reparei como ela ia escrevendo no questionário oficial.
-"Posso perguntar" disse-me ela com novo interesse "O que faz exatamente?
Calmamente ouvi-me responder: "Desenvolvo um programa de longo prazo ( qualquer mãe faz isso ), em laboratório e no campo experimental ( normalmente eu teria dito dentro e fora de casa ). Sou responsável por uma equipe ( minha família ) e já recebi 4 projetos ( todas meninas). Trabalho em regime de dedicação exclusiva ( alguma mulher discorda? 0, o grau de exigência é a nível de 14 horas por dia ( para não dizer 24 ).
Houve um crescente tom de respeito na voz da funcionária,que acabou de preencher o formulário e pessoalmente abriu-me a porta.


Quando cheguei em casa, com o título da minha carreira erguido, fui recebida pela minha equipe: um com 13 anos, outra com 7 e outra com 4. Do andar de cima, pude ouvir meu novo experimento - um bebê de 6 meses - testando uma nova tonalidade de voz. Senti-me triunfante! Maternidade... que carreira gloriosa!
Assim, as avós deviam ser chamadas doutoras-senior em desenvolvimento infantil e em relações humanas, as bisavós doutoras-executivas-senior e as tias doutoras-assistentes.

UMA HOMENAGEM CARINHOSA A TODAS AS MÃES, ESPOSAS, AMIGAS, COMPANHEIRAS E DOUTORAS NA ARTE DE FAZER A VIDA MELHOR.

****

Outro texto interessante sobre o assunto está no blog da Fabiane. Vale a pena dar uma passadinha por lá e ler:

http://fabijulia.blogspot.com/2009/12/mae-em-tempo-integral.html

Bom dia  !


                                               

2 comentários:

Tuka Siqueira - Ktralhas disse...

Já conhecia este texto, mas é sempre bom lê-lo novamente, faz a gente se sentir exatamente como a gente é IMPORTANTE!!!

Beijos

Vanessa e Enzo disse...

Hahaha adorei! MUITO BOM!
As pessoas desvalorizam o ser mãe... talvez por não ter ciência de que é umas das prfissões que mais exige dedicação!
Bjks